Ufanamente Copacabana

Faz pouco tempo que retornei ao Rio, após uma fria temporada nos pagos meridionais do Brasil. E de volta à terra abençoada por Deus e bonita por natureza, não podia cair em lugar melhor do que este, o meu planeta Copacabana. Assim inauguramos o Meia Sinapse: com uma pequena e já saudosa louvação deste bairro singular. Claro que faltam os bares, restaurantes e outros cantinhos menos ou mais famosos do cenário, lugares dos nossos amores, causos e reminiscências. Fica pra próxima!

Be my guest…

——

Na conhecida faixa de terra de quase um quilometro de largura e mais de quatro de extensão, espremida entre o mar e a montanha, existem apenas setenta e oito ruas, cinco avenidas, seis travessas, três ladeiras e seis acessos viários. Muitas são as maneiras de se olhar Copacabana. Nessa multiplicidade de ângulos, talvez o melhor para desenhar os seus contornos seja o da sua gente. Aqui estão cerca de 200 mil moradores, boa parte dos quais acompanharam as transformações das últimas décadas: são as pessoas com mais de 60 anos – cerca de 25% da população aqui, bem mais do que a média nacional, que não passa de 10% – que formam o saudoso grupo da terceira idade. No outro extremo, mas disputando a mesma praia está a a galera jovem, também muito numerosa na área.

Na geografia humana de Copacabana a imagem da “cidade partida”, apropriada para descrever o espaço social do Rio de Janeiro e do próprio Brasil, ganha nuances de contraste. Praticamente toda a limitada área do bairro está ocupada. A maioria das pessoas espalham-se pelos milhares de edifícios residenciais, desde os suntuosos e históricos prédios à beira-mar até outros mais simples, em cantos mais modestos do bairro. Parte da população concentra-se nos morros, em seis comunidades: Babilônia, Chapéu Mangueira, Cantagalo, Pavão-Pavãozinho, Tabajaras e Cabritos. Mesmo o espaço público possui sua população flutuante de adultos e crianças.

 

Mas existe no bairro uma outra multidão, há ainda, mais lutas, movimento e barulho. A população praticamente duplica todos os dias, gente dos quatro cantos do Rio que passa ou faz a mini-cidade funcionar. Aqui buscam seu sustento e para cá trazem e deixam um pouquinho de si em trabalho e cultura. E a “jovem senhora” demonstra sua gratidão, acolhendo a todos sem distinção de classe, credo, etnia ou sexo, tornando-se informalmente uma espécie de “capital espiritual do Rio”.

 

Também vale lembrar que não é apenas o Rio de Janeiro que está em Copacabana: o mundo todo encontra aqui o seu espaço. Dos cerca de 25 mil apartamentos da rede hoteleira da cidade, nada menos que dois terços estão no bairro. A maioria dos visitantes prefere um hotel simples na princesinha do mar, do que um cinco estrelas na Barra. Andar pelo calçadão da avenida Atlântica no verão dá esta dimensão transcultural, já que em poucos outros lugares ouvem-se tantos sotaques e línguas diferentes lado a lado.

 

Na convergência de todas estas diferenças, torna-se cada vez mais difícil definir Copa de maneira unívoca. Se cada bairro tem sua característica peculiar, no imaginário sobre a Cidade Maravilhosa apenas Copacabana tem a capacidade de reuni-las todas, no exótico contorno de suas pessoas, ruas, montanhas, praia, histórias e história.

 

Ah! Sua história… Um dos lugares mais cosmopolitas do Rio, a visão atual de Sacopenapan, “aves de pernas grandes” num dialeto indígena – deixaria estupefatos seus antigos moradores Tamoios. O cenário mudou radicalmente desde aquele tempo: desapareceu a pedreira do Inhangá, que separava as praias do Leme e de Copacabana, ergueu-se a muralha de edifícios defronte à orla – onde estão alguns dos primeiros e principais expoentes do art déco no Brasil.

 

Do mar das lendas e tradições, emerge uma interessante história sobre o nome do bairro. Nos altiplanos andinos, às margens do Lago Titicaca, há uma península, outrora chamada na língua quéchua por Qopaq hawana, “mirante do azul”, donde se tem a linda vista da fusão entre o céu e o seu reflexo no lago. Com a dominação espanhola, logo o lugar tornou-se ponto da devoção católica de Nossa Senhora de Copacabana. Ainda no século XVI, comerciantes espanhóis trouxeram para o Rio de Janeiro objetos religiosos ligados à santa boliviana e ao final do século XVII, a igrejinha construída onde hoje se localiza o Forte de Copacabana, já era bem conhecida de romeiros e viajantes.

 

Área de difícil acesso, incrustada entre altas e verdes montanhas, Copacabana permaneceu praticamente isolada do centro do Rio, até o final do século XIX. Além do Forte do Leme e de algumas poucas chácaras e sítios, onde se refugiavam em veraneio os mais abastados da capital, dentre eles o próprio Dom Pedro II, apenas uma restrita população de pescadores habitava o local.

 

O difícil acesso foi superado em 1892, quando a Companhia Ferro-Carril do Jardim Botânico, mais tarde comprada pela Light, abriu um túnel através do Morro de Vila Rica, estendendo sua linha de bondes de Botafogo para Copacabana até onde hoje se localiza a Praça Serzedelo Correia. No dia 06 de julho de 1892 foi inaugurado o Túnel Real Grandeza (nosso Túnel Velho, chamado oficialmente hoje de Alaor Prata), em cerimônia prestigiada pelo Mal. Floriano Peixoto, então Vice-Presidente da República, data que se tornou uma referência para o aniversário do bairro.

 

Logo que a linha do bonde ampliou-se em direção ao forte do Leme e à igrejinha (o Forte de Copacabana seria construído apenas em 1914), abriu-se o caminho para o surgimento de ruas e a proliferação de loteamentos. No início do século XX, sob a gestão de Pereira Passos, foi aberto o Túnel do Leme. No mesmo ano de 1906, foi inaugurada a avenida Atlântica, que com as ondas de seu calçamento-mosaico de pedras portuguesas se tornaria o símbolo maior do bairro e da própria cidade.

 

Em 1922, ano em que acontecia em São Paulo a Semana de Arte Moderna, ocorreu o episódio conhecido como a Revolta dos Dezoito do Forte de Copacabana. Militares contrários às oligarquias da velha república, rebelaram-se no Forte, e depois de frustradas negociações e a desistência da maioria dos participantes, restaram amotinados apenas dezessete militares e um civil, dos quais dezesseis foram mortos na praia. Os Dezoito do Forte tornaram-se símbolos da resistência à velha ordem e da luta pela modernização do país.

 

Ainda na década de vinte, foi inaugurado o Hotel Copacabana Palace, trazendo para o bairro festivos bailes e personalidades internacionais. A partir dessa época, a elite urbana do Brasil composta por intelectuais, artistas e estrangeiros instalou-se no bairro e as casas passaram a dar lugar a grandes edifícios, tornando a paisagem símbolo de prosperidade e modernidade. Hoje restam pouquíssimas casas, verdadeiros memoriais dessa época que já passou. Paralelamente, já marcando a vocação do bairro à diversidade e contrastes, a ausência de políticas habitacionais apontando o abismo social crescente do país, consolidou-se a favela no cenário de Copa com o início da ocupação dos morros do Leme e Tabajara.

 

Nos anos 40 e 50, Copacabana concentrava grande parte da vida cultural e noturna da cidade, fermento donde surgiram os primeiros acordes da bossa-nova. Junto a isto, a infra-estrutura, a ampla rede de serviços e a invejável orla de areias claras fazem do Rio de Janeiro, sonho de consumo mundo afora. A população jovem dos prédios formava as famosas “turmas”, ainda hoje lembradas com nostalgia e carinho pelos moradores mais antigos.

 

Copacabana caracteriza-se pela rapidez de seu crescimento e de sua interminável reconstrução. A partir dos anos 60, o bairro famoso passou a atrair cada vez mais gente, em busca do status que conferia. O desenvolvimento rápido e desordenado levou Copacabana a tornar-se uma espécie de segundo centro da cidade, lugar de circulação diária de milhares de pessoas.

 

As transformações e os contrastes fazem do bairro uma enorme síntese estético-social do país: o melhor e o pior, o feliz e o triste, o feio e o belo, o rico e o pobre, juntos lado a lado, numa incessante dialética de confronto e troca. Aqui se formou um gigantesco espelho onde nossa gente vê um pouco melhor o próprio rosto e silhueta, neste lugar onde o Brasil é mais brasileiro.

Advertisements

~ by Marcio Anhelli on November 9, 2007.

3 Responses to “Ufanamente Copacabana”

  1. Parabéns, parabéns, parabéns!
    Bem-vindo ao mundo blog!
    Longa vida ao Meia Sinapse!

  2. É, Camila…
    como diz o filósofo L. Huck, loucura, loucura, loucura!

  3. Ah! Habilitou os comentários… Agora sim! Bem-vindo à blogosfera!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: